terça-feira, 28 de março de 2017

Perguntas e respostas sobre o MpT (7)

Pergunta 7Os partidos políticos precisam de recolher assinaturas para fazerem as suas candidaturas autárquicas?

Resposta: Não. Segundo a Lei das Eleições Autárquicas, só os Grupos de Cidadãos Independentes precisam da recolha de assinaturas para formalizarem as suas candidaturas. Os partidos políticos ou coligações de partidos não precisam da recolha de assinaturas.

No caso do concelho de Marvão, a única candidatura de grupo de cidadãos conhecida, até ao momento, é a do Marvão para Todos. Para formalizar a sua candidatura às eleições autárquicas de 2017, necessita recolher 250 assinaturas para a Câmara Municipal e 250 assinaturas para a Assembleia Municipal. Para a candidatura às Assembleias de Freguesia tem de recolher 50 assinaturas em cada freguesia.

No caso das candidaturas dos partidos políticos, conhecidas até ao momento, existem: PS, PSD, CDS e CDU. Nestas candidaturas, apenas e só aqueles que forem candidatos nas listas têm de assinar uma Certidão de Candidatura.

Nota: Tendo chegado ao conhecimento do Marvão para Todos que algumas das candidaturas de partidos políticos têm andado a aliciar os marvanenses, abusando da sua bondade, a assinar “documentos” para as suas candidaturas e dizendo que também precisam de assinaturas...! O Marvão para Todos informa que vai estar muito atento a tal situação e que não hesitará em participar aos órgãos competentes essa ilegalidade. 

                                                                                        (A Coordenação do MpT)


sábado, 11 de março de 2017

Marvão no Coração!


Em alternativa aos partidos políticos, nos boletins de voto das próximas eleições autárquicas em Marvão vamos poder escolher “o Coração”…




…pois o parlamento aprovou ontem uma alteração à lei eleitoral autárquica que, entre outros assuntos, define que as candidaturas independentes passam também a poder utilizar sigla e símbolo!


domingo, 5 de março de 2017

Autárquicas 2017 - Comunicação nº 2

Caros amigos marvanenses,
têm chegado à nossa Coordenação algumas dúvidas da população sobre as pessoas que constituem e representam actualmente o Movimento Independente - Marvão para Todos (MpT), nomeadamente, Jorge Rosado.

Assim, o MpT esclarece todos os marvanenses que Jorge Rosado esteve neste Projecto, mas, desde Setembro de 2016, por vontade e interesse próprios, abandonou o MpT e passou a integrar a Candidatura do Partido Socialista e de Madalena Tavares.

Tal como informámos em anterior comunicado, neste momento a Coordenação do MpT já está acompanhada por uma vasta lista de marvanenses que entretanto aceitaram integrar o nosso Projecto de Candidatura às próximas eleições autárquicas de Outubro de 2017 e que, em devido tempo, divulgaremos e apresentaremos publicamente.

Até lá, o MpT continua empenhado e a trabalhar para apresentar um projecto eleitoral alternativo e independente aos marvanenses, bem como a formação das equipas que o executarão. 

Lembramos que estamos a 7 meses da data das eleições e que, até essa altura, existe muito tempo para que os marvanenses tomem conhecimento das nossas equipas e das nossas propostas para governar o concelho de Marvão. Lembramos aqui também uma divisa que nos acompanha: “nem sempre ganha quem arranca primeiro, mas sim quem apresentar as melhores propostas, tiver a confiança dos eleitores e ganhar as eleições”.

Aproveitamos ainda para saudar todos aqueles que já se apresentaram por outros projectos e outras forças políticas às próximas eleições, bem como aqueles que se venham ainda a apresentar. O MpT faz votos para que cada um apresente as suas críticas, propostas e as suas equipas em liberdade, sem medos, sem atropelos e sem coação, numa sã convivência democrática. 

O MpT, enquanto Movimento Independente, não é contra os Partidos e respeita-os como sendo o suporte do edifício democrático, mas exige a todos que sejamos aceites e respeitados em igualdade, enquanto grupo de intervenção política, que a Constituição da República nos permite e reconhece para aprofundamento dessa mesma democracia. 

                                                                    A Coordenação do MpT